.posts recentes

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

. A MINHA ESTANTE NO DIA MU...

. Mértola

. Sempre a iniciar cursos

. rua de Sant’Ana

. Hans Christian Andersen

. O Mar e o Livro

. A aparente liberdade do l...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quinta-feira, 23 de Junho de 2016

Cienciometria e Relevância Clínica

apdis_xii_horizontal.png

 

Os limites das métricas  em cienciometria

Nas recentes jornadas da  Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde (APDIS)  que se realizaram a 20-22 de Abril na Universidade de Coimbra, foi apresentada uma comunicação que questiona um dos limites das métricas tradicionais da cienciometria  na área da saúde e apresenta uma outra métrica para a determinação da relevância clínica.   

O estudo da autoria de Ivan Luiz Marques Ricarte, Maria Cristiane Barbosa Galvão, Fabio Carmona, Danielle Fernandes Santos tem por título “Citações e fator de impacto não refletem relevância clínica da informação em saúde”.

A critica incide nas métricas tradicionais, as citações e o factor de impacto, não reflectirem relevãncia clínica da informação em saúde.

O Objetivo do estudo foi: Avaliar se a quantidade de citações do artigo e o fator de impacto do periódico estão associados à relevância clínica da informação, considerando a perspectiva dos profissionais da saúde que assistem diretamente a pacientes

Essencialmente pretende-se saber se há diferença entre a relevãncia que é percebida pelos profissionais de saúde e a quantidade de citações e  factor de impacto do artigo.

Usa um índice de relevância clínica assente em percepção qualitativa arrumada em três classes de artigos publicados em PubMed com citações em ISI Web of Science e em Google Scholar e factor de impacto segundo a base de dados SCImago Journal & Country Ranking.

Os participantes foram médicos, farmacêuticos e enfermeiros. Usados 144 resumos e obtidas 7559 respostas.

O estudo afirma que  as “Citações e fator de impacto não expressam relevância clínica” e conclui que: “Medidas baseadas em quantidade de citações podem ser úteis para avaliar o uso da informação académica por académicos, mas não conseguem capturar o impacto que essa informação pode ter na prática clínica e, portanto, não são úteis como uma métrica para a translação do conhecimento”

 Medidas como o CRII  (Clinical Relevance of Information Index, a medida usada no estudo) “capturam o impacto da informação na assistência a pacientes e podem ser utilizadas para avaliar o processo de translação do conhecimento e o impacto social de pesquisas académicas” http://apdis.pt/publicacoes/index.php/jornadas/article/view/100/134

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:20
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Junho de 2016

Biblioteca Nacional de Cuba faz 115 anos

images.jpg

Nas visitas ao extrangeiro aproveitei sempre para visitar bibliotecas.  Ao visitar Cuba, não podia, evidentemente,  deixar de me proporcionar  uma visão própria das bibliotecas locais. Visitei a   Biblioteca Nacional de Cuba José Martí, que faz cento e quinze anos. Bastou dizer que também era bibliotecário, para me ser oferecido o sorriso e simpatia pela consideração da visita. Curioso é que a Asociación Cubana de Bibliotecarios (ASCUBI) tem apenas vinte e sete anos. Tive também oportunidade de ver uma biblioteca de escola primária.  Naturalmente não faltou a visita aos livreiros alfarrabistas, eles também parte integrante dos que na vida dedicam parte do seu tempo à preservação do património bibliográfico.

Curiosamente as fábricas de charutos estão intimamente ligadas ao património bibliográfico e à literatura. Ainda hoje existe nessas fábricas a figura do “leitor”. Ainda assisti a uma “leitura”, na altura da minha visita, muito mais  ideológica que literária. Aquando da minha visita a leitura incidia mais nas notícias do quotidiano que na literatura clássica que dá nome aos charutos “Conde de Monte Cristo” do Dumas,  o “Romeu e Julieta” de  Shakespeare, o “Sancho Pança” de Cervantes.          

Obviamente que por vários dias em Havana percorri os caminhos dos turistas e tracei outros percursos  ao acaso pela cidade. Do jogging na 5ª avenida aos  bairros onde a informação de interesse comunitário era feita pela comunicação afixada na parede pelos    CDRs.  E, claro, não podia faltar o banho em Varadero.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:38
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 19 de Junho de 2016

Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação

cover_issue_1220_pt_BR.jpg

A Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação A RICI é um periódico científico editado pela Faculdade de Ciência da Informação (FCI) da Universidade de Brasília (UnB) no Brasil por meio do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. No sistema de Periódicos Qualis da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) está atualmente classificada como B1 na área de Ciências Sociais Aplicadas I (2015).

Nossa revista e seus artigos estão indexados, depositados e cadastrados em diversas fontes com o propósito de promocionar e dar uma maior visibilidade a seus conteúdos.

 

Entre outros  publica alguns artigos que considerei interessantes:

 

Por Uma Semântica Do Patrimônio Cultural

Ana Lúcia de Abreu Gomes

 

Preservação De Acervo Audiovisual

Angélica Gasparotto de Oliveira

 

História Do Papel: Panorama Evolutivo Das Técnicas De Produção E Implicações Para Sua Preservação

Clara Landim Fritoli, Eduardo Leite Krüger, Silmara Küster de Paula Carvalho

 

 

http://periodicos.unb.br/index.php/RICI

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:19
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 14 de Junho de 2016

Para nada. É a resposta.

 

 

 

 

36b94e17-e35e-460c-829d-c2271fbc99e3.jpg

Agradável Imagem e Texto apresentados pela "Livraria Manuel Ferreira"

Para que servem livros antigos? Por que, para que colecionar livros raros? Essas perguntas lembram-me uma história que se conta.

Dizem que um poeta francês foi uma vez apresentado a um riquíssimo banqueiro. O apatacado personagem perguntou ao poeta: 

- Para que serve a poesia?

E o poeta respondeu-lhe:

- Para o senhor, não serve para nada.

Tinha razão o poeta. Para muita gente, tudo na vida deve ter uma utilidade. Para essa gente pretensiosa não adianta explicar certas coisas, elas não chegaram ainda a um desenvolvimento cultural suficiente para apreciar as coisas sem utilidade aparente.

 Se nós examinarmos a evolução, o progresso do mundo, notaremos que só nos países mais adiantados se dá valor às coisas sem utilidade apreciável. É com o progresso material , com a riqueza, que surge a culura, o amor e o respeito pelas coisas tidas como inúteis. É nos países adiantados que se encontram as mais belas bibliotecas, os museus, as coleções particulares de arte. Não quero dizer com isso que só nesses países há gente capaz de apreciar devidamente essas coisas, mas quero notar que esse fato é um índice de progresso. Não é somente a produção per capita que indica o adiantamente de uma região.

Quando se estuda a história das grandes bibliotecas do mundo, das grandes bibliotecas nacionais que fazem o orgulho de muito povo, vê-se logo que elas se formaram, tendo como base uma coleção particular e foram se enriquecendo com a aquisição ou doação de outras coleções particulares. Foram os Mazarin, os Grenville, os Barbosa Machado que, legando ou vendendo seus livros à nação, enriqueceram o patrimônio nacional. 

Se não fossem os amadores americanos que reuniram coleções, alguns à custa de paciência, conhecimento e gosto, outros a poder de milhões, o que seria das famosas bibliotecas e museus dos Estados Unidos? Ninguém pode hoje estudar seriamente Shakespeare e seu tempo, sem frequentar a Folger Library, em Washington e não em Londres, na biblioteca formada por H. C. Folger, no prédio que ele mandou construir.

Seria um não acabar mais o querer mostrar que, graças a colecionadores particulares, muito tesouro é salvo. (...)

A bibliofilia não é somente um passatempo de homens cultos, um hobby inocente, um emprego de capital para alguns espertos, um negócio para milhares de pessoas no mundo. É uma obra de benemerência. 

Se depois de todos esses argumentos ainda houver quem lhe pergunte: "Para que serve colecionar livros raros?" - então voltaremos à velha história que acima contei. Para aqueles que lhe fizeram pergunta, responda: "Para você, não serve para nada".

 

Ruben Borba de Moraes, 'O bibliófilo Aprendiz". Casa da palavra produção editorial.4ª edição. Rio de Janeiro [2005]

 

http://us6.campaign-archive2.com/?u=51928d86ee7fd5e215898fb4b&id=4f8ebac4b0

 

publicado por antonio.regedor às 11:17
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Junho de 2016

Palavras servidas à mesa de café

tel 079.JPG

E quando um café ostenta em cima um pequeno tripé, isso não tem necessáriamente de ser a  ementa ou a promoção do dia, mas tão só a oferta de uma frase .

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:35
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Junho de 2016

Biblioteca Escolar no Sistema Bibliotecário

images.jpg

Biblioteca Escolar no Sistema Bibliotecário

 

Universidade Fernando Pessoa 

 

Sábado, 18 de junho de 2016

Das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30

 

Prof. Doutor António Regedor

Programa:

  1. Tipos de leituras
  2. Leitura Funcional. Leitura Volitiva
  3. Biblioteca e literacias
  4. Os Sistemas Bibliotecários no Contexto das Políticas Culturais.

4.1. A transposição do modelo de sistema para a realidade do agrupamento.

4.2.O sucesso da biblioteca escolar como projecto educativo.

 

Destinatários:

Professores Bibliotecários

 

Certificação:

Ação temática de curta duração, de cariz científico e pedagógico, com duração de 6 horas, conforme despacho n.º 5741/2015, de 30 de maio.

Informação:

(i) A participação nas ações de curta duração tem como limite máximo um quinto do total de horas de formação obrigatórias (Art. 3.º).

(ii) A competência para o reconhecimento das ações é da Universidade Fernando Pessoa, através do seu Centro de Formação Contínua – ES-CEFOC.

(iii) O reconhecimento decorre da apresentação do requerimento dos interessados ao ES-CEFOC, acompanhado de documento comprovativo de presença e do programa temático da ação realizada.

(iv) O reconhecimento requer a verificação das seguintes condições:

  1. A existência de relação direta, científica ou pedagógica com o exercício profissional; manifestação de rigor e qualidade científica e pedagógica; sejam asseguradas por formadores que, no mínimo, tenha o grau de Mestre.
  2. O reconhecimento das ações de curta direção só pode ocorrer uma única vez na mesma ação, independentemente doformador, local ou ano de realização.
  3. Não são reconhecidas ações de curta duração que se relacionem ou insiram em qualquer tipo de companha promocional ou publicitária.

 

Valor:

30 euros.

25 euros para associados

 

Número mínimo de participantes: 12 

 

 

 

 

 

 

 

 


Formulário de Inscrição

 

Área reservada a preenchimento pelos serviços

Inscrição Nº

 

 

 

Elementos de identificação do candidato

 

Nome:

 

Morada:

Tel.:

Email:

 

Código Postal:

NIF:

 

Cartão Cidadão/BI nº:

Idade:

Data de Nascimento:

 

 

Nome da escola:

Concelho da escola:

Grupo de docência

 

 

Dedignação da ação de curta duração que pretende frequentar:

 

 

 

Áreas de conhecimento, para outras acções de curta duração, que tenha interesse em participar:  

Escolha até 10 áreas prioridade (1 “maior interesse” a 10 “menor interesse”)

 

Indique outras áreas de conhecimento, para outras acções de curta duração, que tenha interesse em participar

Prioridade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os documentos devem ser todos enviados para o seguinte email: es-cefoc@ufp.edu.pt

 

 

publicado por antonio.regedor às 19:08
link do post | comentar | favorito
|

El profesional de la información

banner_superior2.png

El periódico   “El profesional de la información”: se propone tratar el tema  : Públicos vulnerables y empoderamiento digital

 Análisis, reflexión y debate en torno al impacto social de las nuevas tecnologías en red. Colectivos susceptibles bien de padecer efectos negativos al acceder a contenidos y servicios del universo digital (públicos vulnerables), o de quedar excluidos de esta nueva esfera de relaciones (vulnerabilidad relacional).

Análisis sociológico de situaciones de vulnerabilidad o exclusión social generadas por las TIC.

Herramientas, prácticas, modelos y propuestas para reducir los riesgos, o a incrementar las opciones de participación y acceso para los colectivos vulnerables.

Además de niños y menores de edad, la atención de este número se dirige también a otros colectivos de riesgo en el ámbito de las TIC, tanto en términos de usos y gratificaciones, como de accesibilidad, integración y participación en las mismas.

El empoderamiento digital no se circunscribe exclusivamente a los grupos y colectivos de riesgo, sino que se extiende a toda la sociedad en general.

 La participación digital ha abierto nuevas fórmulas para la movilización social activa, para el denominado “clickactivismo” y, en definitiva, para dar a la ciudadanía nuevas herramientas que les permiten cambiar el rol tradicional de receptor pasivo, y convertirse en emisores de información.

Dar voz a las minorías, solidarizarse con situaciones de injusticia, llegar, de manera colaborativa mediante la comunicación social digital, a expresar sentimientos, ideologías, acciones que dan paso a nuevas formas de interacción.

 

http://www.elprofesionaldelainformacion.com/index.html

publicado por antonio.regedor às 09:54
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Junho de 2016

3rd Altmetrics Conference

3amlogolongsmall-8.jpg

As métricas alternativas continuam a ganhar mais interesse e são cada vez mais objecto de atenção e estudo.

Realiza-se a 28 e 29 de Setembro de 2016 a 3ª Conferência de Altmetrics.  O local é Bucareste – Universidade de Medicina e Farmácia Carol Davila.

Esta nova abordagem ao impacto , visibilidade e influência da produção científica, não parece ser concorrente com as tradicionais contagens de citações para determinação de factor de impacto de revistas científicas e hindíce de autor. Estas  novas metodologias,  ferramentas associadas e empresas já criadas para o efeito, mostram-se complementares ás tradicionais contagem de citações.

Isto é visível no lote de organizadores  onde se encontram  a DataCite, Wellcome Trust, almetric, Elsevier e Crossref. Contam como sponsors  a Plum Analytics y Frontiers.

Os temas sugeridos são:

  • Altmetrics and the academy
  • Altmetrics & research evaluation / as indicators of economic and social impact
  • Beyond the article: tracking other research outputs (research data, software, books)
  • Data collection and standards in altmetrics
  • Publisher applications of altmetrics
  • Disciplinary altmetrics (medical, humanities, etc)

 

A organização recebe ainda de bom grado ideias nãointegradas nas categorias sugeridas.

 

http://altmetricsconference.com

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:33
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
25
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds