.posts recentes

. Livros. Àgua. Terrorist...

. Copos e livros

. Bibliotecárias a cavalo

. Desafios e mudanças nas b...

. “Irmãos de Armas”

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

. A MINHA ESTANTE NO DIA MU...

. Mértola

.arquivos

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 19 de Janeiro de 2016

Altmetria

images.png

As métricas alternativas são tema para a rvista AtoZ - novas práticas em informação e conhecimento

ISSN: 2237-826X

O formato da abordagem  é em entrevista.  E  apresentam-se os conceitos e características das métricas alternativas (ou altmetria, em português), com especial destaque para a relação destas com as métricas tradicionais e potenciais riscos de manipulação de dados. Discutem-se os desafios para tais métricas e as ferramentas disponíveis para tal contagem.

As Palavras-chave são: Altmetria; Redes sociais; Bibliometria; Infometria

Souza, I. V. P. (2015). Altmetria ou métricas alternativas: conceitos e principais características. AtoZ: novas práticas em informação e conhecimento, 4(2), 58 – 60.

Recuperado de: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v4i2.44554

 

A   entrevista  pode ser consultado em http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/atoz/article/view/44554

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 17:37
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Janeiro de 2016

Repositórios Científicos

pageHeaderTitleImage.gif

Os Repositórios científicos merecem cada vez mais atenção e estudo por parte da Ciência da Informação. A Revista  “Ponto de Acesso” - Revista do Instituto de Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahía, dedica um número especial ao tema.

  1. 9, n. 3 (2015) EDIÇÃO ESPECIAL: REPOSITÒRIOS INSTITUCIONAIS

 

 

Sumário

 

 

 

Editorial

PDF

Lídia Maria Batista Brandão Toutain

1-1

 

Apresentação

PDF

Flávia Rosa

2-2

Artigos

SERÃO AS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS MANDATÓRIAS, ASSIM TÃO MANDATÓRIAS? QUAL O GRAU DE CUMPRIMENTO? O CASO DA BIBLIOTECA DIGITAL DO IPB

PDF

Clarisse do Ceu Pais, Paula Odete Fernandes, Jose António Sequeira Capela France

3-17

 

REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA: FERRAMENTA DE VISIBILIDADE PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

PDF

Susane Barros, Flávia Rosa, Rodrigo França Meirelles

18-34

 

O AUTOARQUIVAMENTO NOS REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS BRASILEIROS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

PDF

Viviane Veiga, Luis Guilherme Macena

35-47

 

RECURSOS DE INFORMAÇÃO NUMA IES: O REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL

PDF

Maria João Amante, Teresa Segurado, Bruno Marçal, Susana Lopes

48-73

 

GESTÃO DE DADOS DE INVESTIGAÇÃO NO DOMÍNIO DA OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA: CRIAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PERFIL DE APLICAÇÃO BASEADO EM ONTOLOGIA

PDF

Rúbia Tatiana Gattelli, Maria Cristina de Carvalho Alves Ribeiro

74-102

 

METADADOS E REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: UMA RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL PARA A QUALIDADE DA RECUPERAÇÃO E VISIBILIDADE DA INFORMAÇÃO

PDF

Caterina Groposo Pavão, Janise Borges da Costa, Manuela Klanovicz Ferreira, Zaida Horowitz

103-116

 

COLETA DE DADOS A PARTIR DOS CURRÍCULOS DA PLATAFORMA LATTES: PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL UNESP

PDF

Silvana Aparecida Borsetti Gregorio Vidotti

117-132

 

O DIREITO DE AUTOR NO MOVIMENTO DE ACESSO LIVRE E ABERTO, UM ESTUDO SOB A ÓTICA DAS EDITORAS CIENTÍFICAS

PDF

Fabrícia Pires Pimenta

133-148

 

ACESSO ABERTO: UMA NOVA POSSIBILIDADE DE MONITORAR E AVALIAR O FLUXO E O IMPACTO DA CIÊNCIA

PDF

Paula Xavier dos Santos, Nísia Trindade Lima

 
publicado por antonio.regedor às 22:31
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

O Jardim, a Ciência e a Vida

Plato_Academy_new.png

A Academia começa com as lições de Platão no Bosque Akadeomos.  A essas lições acorriam vários discípulos, entre os quais Aristóteles que se manifestava irreverente face ao Mestre. “O dever de todo o discípulo é ultrapassar o seu Mestre” dizia Aristóteles.  E assim deve ser, e assim se faz ciência. As conclusões de uns,  são o ponto de partida para  outros e também  para o próprio.  Face a uma ideia concebida, dessa mesma se  deve duvidar. questionar e a partir dela inovar.  Do ponto de vista pessoal é isto que nos faz processar, melholhar, renovar. Do ponto de vista social   é assim que nos faz  aclarar, esclarecer ou ainda  reorganizar, renovar, reestruturar. Enfim, avançar tomando sempre novos horizontes, azimutes, proas. A nautica ensina-nos o modo mais elementar do ethos. O de que a linha que traçamos, por muito melhor que tenha sido calculada, sofre da circunstância do oikos ao longo do Kronos. Por bem que a linha tenha sido traçada, em nautica, os ventos e correntes fazem derivar a linha mapeada. A rota  é desviada  por efeito de  deriva. Esta tem que ser permanentemente corrigida traçando novas proas, novas linhas de rumo ao longo do tempo. Inevitavelmente  esses novos rumos sofrerão de novas derivas e  estarão permanentemente a ser dorrigidos.  . Assim é a vida.  E essencialmente a ciência, de paradigma em paradigma,  de lei em lei, relativizando cada uma delas ao seu objecto e objectivo. A vida, como a ciência  é esta deambulação peripatética. Seja qual for o Pathos. O de Akadeomos ou o  da entrada da nossa faculdade, da oficina,   do condomínio  ou  o do forum de onde se alarga a cidade e se expressa a cidadania.

publicado por antonio.regedor às 21:34
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Janeiro de 2016

A esquerda cumpre hoje, necessariamente, as reivindicações da social-democracia

9780199241378.jpg

Pacheco Pereira continua filósofo clarividente.  E nem lhe é difícil a tarefa. Basta continuar a pensar as questões que o vulgar julga como certas e imutáveis.

Nesta excelente reflexão aborda a vitória ideológica da chamada “direita” que não será mais do que o encostar da social democracia ao neoliberalismo.  E a vitória da esquerda que assumiu as lutas e reivindicações que já foram da social-democracia. E que ao defender coisa tão simples como o estado social é apelidade de radical. Afinal a esquerda radical está hoje a cumprir o programa que historicamente era pertença da social democracia e do estado social capitalista.

Pacheco Pereira refere  a crítica da direita ao “viver acima das suas posses”, que significa a  culpabilização dos consumos típicos da classe média. A culpabilização por se querer sair da memória da pobreza ainda presente nos anos 60 e 70.  Porque é que  qualquer um de nós que gosta de comemorar os anos 80, não se lembra de comemorar os anos 60? Porque simplesmente nada  há a comemorar desses anos cinzentos,  opressivos e repressivos, tristes, pobres e famintos.  A culpabilização dos novos consumos da classe média, e o terrorismo de estado que foi lançado contra essa mesma classe média levariam inevitavelmente  à regressão a esses tempos dos anos 60 e aos buracos nas estradas que já se começam a sentir.

A ascenção social  e o surgimento de uma classe média em  portugal foi proporcionada pela escola pública. É o ódio neoliberal à classe média que leva igualmente a atacar a escola pública. E lembramo-nos de imediato que foi nos países social democratas que a escola pública, as políticas de leitura e de leitura pública através das  políticas de redes de bibliotecas fixas e itinerantes que fez desses países cultos, desenvolvidos, éticos, justos, educados e ricos.  Pacheco Pereira nota bem que essa luta abandonada pelos social-democratas  é agora a dos tais radicais de esquerda.

O mesmo repara o autor, que referimos,  no que diz respeito ao programa social, como seja a reposição de salários e pensões que não é mais do que a base do contrato social que enforma a social-democracia.

E dá conta Pacheco Pereira que: “ Ainda recentemente ouvi com atenção uma intervenção de Marisa Matias fazendo para mim uma classificação interior daquilo que era ideologicamente de esquerda, tudo era da mais pacífica doutrina social da igreja, podia ser dito pela Caritas, por um democrata cristão ou um social-democrata se ainda os houvesse. Até o Papa Francisco, nestes termos, estaria muito mais à esquerda.” E mais não é necessário acrescentar. “É por isso que um deputado do ex-PaF se dizia muito surpreendido por o Bloco de Esquerda defender o feriado do Corpo de Deus” adianta Pacheco Pereira. Depois do arremesso da pedra da austeridade por culpa da dignidade ontológica de uma classe média emergente, maioritariamente social democrata, é o Bloco de Esquerda  no respeito da laicidade que vem em defesa do respeito de uma profissão de fé.

Tem ainda Pacheco Pereira de referir o jornalismo de analfabetos, tacanhos e  ideologicamente amestrados  jornalistas. E para terminar dizendo: “Para combater a ideologia da direita radical precisamos de algum retorno à moralidade, como os espanhóis compreenderam com as suas “marchas pela dignidade”.

 

Texto de comentário ao artigo publicado em:

http://www.publico.pt/politica/noticia/derrota-ideologica-e-vitoria-politica-1720334?page=2#/follow

 

publicado por antonio.regedor às 17:56
link do post | comentar | favorito
|

Digitile - Biblioteca online sobre azulejaria

images.jpg

 

 

As bibliotecas  adequam-se, reorganizam-se, transformam-se.

 

Desde Maio de 2015 que o País passou a ter mais uma biblioteca especializada. A biblioteca online sobre azulejaria.

 

O projecto resulta de uma iniciativa conjunta do Instituto de História de Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e da Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian

A colecção assenta no trabalho inédito de João dos Santos Simões (1907-1972), o maior especialista em azulejaria portuguesa do século XX.  À  época a revista “sábado” noticiou a abertura que pode ser  lida em:

http://www.sabado.pt/cultura_gps/detalhe/biblioteca_online_sobre_azulejaria_inaugura_hoje.html

A biblioteca está alojada em: http://digitile.gulbenkian.pt/

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 10:19
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2016

XVIII Jornadas Bibliotecárias de Andaluzia.

cache_5578928.jpg

O Boletim  da Associação Andalusa de Bibliotecários , Ano 29 número 108 de Julho-Dezembro de 2014 publica as comunicações feitas nas XVIII Jornadas Bibliotecárias de Andaluzia.

Os assuntos e autores foram:

 

Marketing: no es cuestión de recursos, sino de estrategia. Nieves González Fernández-Villavicencio.

Las bibliotecas, plazas públicas abiertas y creadoras de nuevas comunidades. Juan Sánchez Sánchez - María Helena Rosales Varo.

Estadísticas de la Red de Bibliotecas Públicas de Andalucía: el SIE (Sistema de Información Estadística). Pastora Pérez Serradilla - Manuela Sánchez Macarro.

Gestión y difusión del patrimonio documental: experiencias innovadoras. Bárbara Muñoz de Solano y Palacios - Jesús Jiménez Pelayo.

Diagnóstico de las Bibliotecas Municipales de la Provincia de Granada. Ana Real Duro - Vanessa Espert Simó - Soledad Nuevo Ábalos - Marís del Carmen García Lara - Mónica García Martínez - Rocío Gómez Merino.

Innovar en gestión de información: plataformas tecnológicas para creación de contenidos compartidos. Ana Carrillo Pozas - Cesar Juanes Hernández - Verónica Juan Quilis..

Perspectivas y sostenibilidad en nuestra profesión: los futuros bibliotecarios. Manuel Jorge Bolaños Carmona - Virginia Ortiz-Repiso Jiménez.

Las bibliotecas, los bibliotecarios, nuevas competencias, nuevas habilidades. Carlos Magro Mazo - Julio Alonso Arévalo.

35 años del Sistema Bibliotecarios Andaluza: de dónde venimos y hacia dónde vamos. Mercedes de la Moneda Corrochano - Francisco Javier Álvarez García - Antonio Tomás Bustamante Rodríguez.

Os textos em PDF podem ser consultados em http://www.aab.es/publicaciones/bolet%C3%ADn-aab/bolet%C3%ADn-108/

publicado por antonio.regedor às 12:17
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2016

As divisões das revistas científicas

1959598_818227591528057_1400839789_n.png

 

O aumento exponencial de publicações científicas, na maioria dos casos em artigos, levou concomitantemente  ao aumento de revistas e à sua ordenação em rankings. Estes , para estabelecer o factor de impacto de cada uma delas, mas também organizá-las em diferentes  patamares. Uma revista pode numa primeira fase entrar para uma base de dados que a indexa para efeitos de contagem de citações, ficando a aguardar critérios para integrar o grupo com consideração de factor de impacto. Assim se vão estabelecendo as hierarquias das revistas científicas e os diversos custos associados à publicação nessas mesmas revistas.

publicado por antonio.regedor às 18:13
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2016

Recomendações para as Bibliotecas de Ensino Superior

 

ufp-universidade-fernando-pessoa-1380648430-1_xl.j

 

O Grupo de Trabalho das Bibliotecas do Ensino Superior (GT-BES) da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas () apresenta as Recomendações para as Bibliotecas de Ensino Superior em Portugal.

 As 10 recomendações focam-se essencialmente em quatro vertentes da ação das bibliotecas: o apoio ao ensino e aprendizagem, especificamente na promoção das competências de literacia de informação; o suporte às atividades de investigação e de publicação científica; a gestão organizacional de parcerias e de projetos de cooperação entre bibliotecas; a conceção e disponibilização de serviços, sistemas e espaços que facilitem e potenciem a aprendizagem e a descoberta e gestão da informação.

São elas:

 

  1. Reafirmar a relevância das competências de literacia da informação na comunidade académica.
  2. Desenvolver competências dos profissionais das bibliotecas para apoio às atividades de ensino e aprendizagem.
  3. Apoiar projetos editoriais de publicação académica e científica.
  4. Assegurar repositórios institucionais alinhados com os padrões de interoperabilidade e preservação.
  5. Criar serviços de apoio à gestão de dados científicos.
  6. Potenciar o papel da biblioteca no apoio à investigação.
  7. Fomentar parcerias com estruturas de apoio à comunidade académica.
  8. Promover e facilitar o acesso às fontes de informação.
  9. Reinventar e potenciar os espaços das bibliotecas.
  10. Aprofundar redes de colaboração entre profissionais e instituições.

 

De todos, destaco très que constituem objecto do meu interesse e área de estudo  no âmbito  da cienciometria

APOIAR PROJETOS EDITORIAIS DE PUBLICAÇÃO ACADÉMICA E CIENTÍFICA

Estar disponível para assumir novas funções no domínio da publicação e edição de revistas académicas e científicas, livros ou outras novas formas de partilhar ciência, apoiando os responsáveis na definição de políticas editoriais e modelos de negócio, bem como na coordenação editorial, através do desenvolvimento, manutenção e suporte de sistemas de informação que permitam o alojamento e a disseminação destas publicações.

ASSEGURAR REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS ALINHADOS COM OS PADRÕES DE INTEROPERABILIDADE E PRESERVAÇÃO

Consolidar repositórios institucionais com as especificações técnicas que garantam os padrões de interoperabilidade e de preservação digital, reforçando o papel central do repositório nos ecossistemas institucionais e nacionais de informação académica e científica, nomeadamente na integração com os sistemas de gestão de ciência (CRIS - Current Research Information Systems) e na aplicação das políticas de Acesso Aberto.

CRIAR SERVIÇOS DE APOIO À GESTÃO DE DADOS CIENTÍFICOS

Conceber serviços de apoio à gestão de dados científicos, alicerçados em planos de intervenção estratégica para atuação institucional que respondam às necessidades da gestão dos dados gerados e recolhidos na atividade dos investigadores, compreendendo o papel

publicado por antonio.regedor às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds