.posts recentes

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

. A MINHA ESTANTE NO DIA MU...

. Mértola

. Sempre a iniciar cursos

. rua de Sant’Ana

. Hans Christian Andersen

. O Mar e o Livro

. A aparente liberdade do l...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2015

Formación, investigación y mercado laboral en información y documentación en España y Portugal = Formação, investigação e mercado de trabalho em informação e documentação em Espanha e Portugal

AKCdAwAAQBAJ.jpg

Encontrando pedaços do meu trabalho académico

Neste livro com o artigo em co-autoria com Judite  Gonçalves de Freitas “a formação em Ciência da Informação: qualificação profissional e empregabilidade”. O caso da Universidade Fernando Pessoa – Porto pag. 487

 

Concentrate on one's main job, but what is the latter in the case of information professionals ? Global perspectives on the adequacy education-jobs-social needsEN Formación, investigación y mercado laboral en información y documentación en España y Portugal = Formação, investigação e mercado de trabalho em informação e documentação em Espanha e Portugal

Michel J. MENOU

Ediciones Universidad de Salamanca, May 22, 2014 - 37 pages

 

 

https://books.google.pt/books?id=AKCdAwAAQBAJ&dq=Ant%C3%B3nio+Borges+Regedor&source=gbs_navlinks_s

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:13
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 27 de Dezembro de 2015

Federação de Repositórios

536994_534057803336282_2085950856_n.jpg

A Scielo em perspectiva Humanas, apresenta o artigo sobre federações de repositórios científicos concluindo tratar-se de ferramenta colaborativa ainda pouco estudada, apesar de existirem .aproximadamente há 10 anos. O (RCAAP)  é referido neste estudo.

Os problemas identificados revelaram-se também  oportunidades de estudo. São eles:

(a) qualidade dos dados coletados (BDTD, NDLTD);

(b) questões de indexação linguística (NDLTD, LaReferencia, RECAAP);

(c)navegabilidade (REMERI, CRUESP);

(d)problema de busca (SNRD) e (e)duplicidade de registros (oasisbr).

 

O artigo está em:

 “ SOUZA, T. F. C. Federação de Repositórios: ferramenta de disseminação da informação científica. SciELO em Perspectiva: Humanas. [viewed 27 December 2015]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2015/12/08/federacao-de-repositorios-ferramenta-de-disseminacao-da-informacao-cientifica/  “

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 22:29
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Dezembro de 2015

O Tango da Velha Guarda

1507-1.jpg

 

Um livro sobre o tango. Que explica as origens, os modos de o dançar,  Os protagonistas,  locais e vivências.

“Nos últimos anos, o tango, originariamente argentino, e que ficara na moda em Paris com os bailes apaches, fazia furor nos dois lados do Atlântico.”

Pérez-Reverte, Arturo – O Tango da Velha Guarda. Alfragide: AsaI. 2013  p. 21

 

“O tango original é diferente. ... Mais rápido, tocado por músicos populares e de ouvido. Mais lascivo do que elegante, por assim dizer. Feito de cortes e quebras, dançado por prostitutas e rufias ... O original mudou muito, sobretudo ao ficar na moda em Paris há dez  ou quinze anos com as danças apaches  dos bas-fonds... Então as pessoas finas começaram a imitá-lo. Dali voltou afrancesado para a Argentina, convertido em tango liso, quase respeitável...” p.58

“Com o cunho parisiense, acrescentou, a classe alta argentina, que antes rejeitava o tango por ser imoral e prostibular, adoptou-o logo. Até então, o tango autêntico, o que era dançado em Buenos Aires pelas galdérias e os rufias marginais, tinha sido uma música clandestina na boa sociedade: uma coisa que as meninas bem tocavam às escondidas no piano de casa, com partiuras fornecidas pelos namorados e pelos irmãos destrambelhados e notivagos.” P.59

“O tango... era uma confluência de várias coisas: tango andaluz, habanera,milonga e dança de escravos negros. Os gauchos crioulos, à medida que se aproximavam com as suas guitarras das tascas, armazéns e prostíbulos dos subúrbios de Buenos Aires, chegaram à milonga, que era cantada, e por fim ao tango, que começou como milonga dançada. “ p .64

“ brancos... que a princípio só olhavam para os negros, adotaram as suas danças tornando mais lento o que não conseguiam imitar e metendo movimentos da valsa, da habanera ou da mazurca...” p.65 Dançado por italianos e emigrantes europeus ... o tango tornou-se mais lento, menos indecoroso; embora os compadritos dos subúrbios adotassem  alguns modos dos negros. p 65

Antonio Regedor

tags:
publicado por antonio.regedor às 23:41
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015

O Tempo das Bibliotecas e da Leitura

images.jpg

 

 

Pacheco Pereira   escreveu  no dia 11 de Dezembro 2015,  na revista sábado, um interessante artigo de opinião com o título: “O tempo das bibliotecas  está a acabar”.

Refere a  dimensão das  bibliotecas  pessoais. “está a morrer uma geração que tinha muitos livros, pequenas e médias bibliotecas”. Na  verdade não eram tão grandes nem tão generalizadas  como se faz parecer. São excepções as bibliotecas  com muitos livros.  O livro em abundância nas casas burguesas pertence essencialmente ao século XIX e século XX. Ficará na história como uma característica prórpria dessa época. 

Considera que há algo de substancial ou esencial na passagem do livro para o digital. Pacheco Pereira reduz a sua impressão  apenas ao suporte. A sua afirmação não terá a mesma força se estivesse a falar de informação que esses suportes contêm.  Permanece a informação, o seu uso e usufruto, o seu  tratamento armanezamento e recuperação, apenas mudando o suporte  que se desmaterializa parcialmente. 

Pacheco Pereira aborda , e bem a passagem da leitura intensiva para a leitura extensiva. No entanto  refere apenas a leitura de lazer, volitiva. Exclui do seu pensamento as outras formas de leitura.  Num estudo que elaborei, em 2003, na Universidadede Salamanca considero, na linha de vários sociólogos, também  outras formas deleitura.  A leitura didáctica, a leitura por razões profissionais  de relatórios, cartas,ofícios, regulamentos, a leitura nas redes sociais, as cadavez mais frequentes infografias.  Tudo é leitura.  Até mesmo  as mensagens  que Pacheco Pereira não considera que seja leitura, podem tabém numa perspectiva ampla e generosa da sociologia da leitura ser ainda uma outra forma de leitura, mesmo que não literária. Afirmamos que se lê mais globalmente, extensivamente, apesar de individualmente se ler menos de forma lúdica e até volitiva como argumenta Pacheco Pereira. A redução do tempo de leitura pessoal  é contemporâneamente aceitável, face à necessidade de resposta  às inúmeras solicitações de outras formas de estar e de lazer.

Ainda há poucos dias asssiti a uma defesa de dissertação de Mestrado em que a percepção face à aquisição do livro, se repartia pela preferência  do formato  electrónico para a temática científica, numa amostra de população em que 50% eram licenciados, e que para os mesmos respondentes a preferência para a leitura de ficção e portanto de lazer e volitiva, se dirigia para os livros em papel, o que está de acordo com a impressão expressa por Pacheco Pereira neste seu artigo de opinião.  

 

Para consultar o artido de Pacheco  Pereira

http://www.sabado.pt/opiniao/detalhe/o_tempo_das_bibliotecas_privadas_esta_a_acabar.html

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 20:56
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2015

As bibliotecas públicas vão inovando.

transferir (1).jpg

 

 

As bibliotecas  públicas vão inovando.  Não por razões intrínsecas, mas exactamente pelo contrário. Se as bibliotecas públicas se limitassem a ser os locais onde se coleccionassem  livros, seriam apenas sistemas sujeitos à 2ª lei da termodinâmica. Mas não. As bibliotecas públicas são modernamente sistemas vivos, orgânicos.   O seu actual modelo de gestão de informação deve ser estudado com o apoio da cibernética. 

Centremo-nos novamente na inovação  na biblioteca pública que afirmamos resultar da necessidade de cumprir a missão de serviço público, de encontrar, cativar e fidelizar novos públicos e de  recussos humanos formados neste novo paradigma.

E desta conjunção de factores resultam iniciativas como a da biblioteca pública José Marmelo e Silva em Espinho.

Os merecidos parabéns ao Engenheiro Fernando Maia  dinamizador das  “quintas tecnológicas”.

Quintas Tecnológicas

 

O projeto “Quintas Tecnológicas” enquadra-se nas missões-chave estabelecidas pelo Manifesto da UNESCO para as bibliotecas públicas.

Tendo como objetivos potenciar a igualdade de acesso a todos os habitantes do concelho aos serviços virtuais disponibilizados à população; contribuir para a aprendizagem ao longo da vida dos habitantes do concelho; melhorar a qualidade de vida dos intervenientes e desenvolver as capacidades em utilizar ferramentas de informáticas, estas ações de sensibilização, que ocorrem quinzenalmente, destinam-se a adultos mediante inscrição prévia.

Temas como a “Segurança na Net”; “Marcação de Viagens”; “Passagem para PDF de vários documentos”; “Marcação consulta USF/Hospitais”; “Criação e envio de email (gmail)”; “Download software livre/ Oferta de emprego”; “Facebook”; “Skype”; “Palavras Pass (password)”; “Currículo Europeu” e “Powerpoint”, são os temas a que nos propusemos desenvolver, de maio a dezembro de 2015, indo ao encontro das necessidades dos nossos utilizadores. 

 

Nestas ações que vamos desenvolvendo, vamos também respondendo às inúmeras questões colocadas por parte dos participantes, mesmo que o tema das suas questões não se enquadrem no tema da sessão. Os intervenientes, mostram uma grande necessidade de ajuda e esclarecimento para resolução dos vários problemas informáticos que vão enfrentando.

 

Os utilizadores que já frequentaram ações de formação em informática na Biblioteca, também se socorrem dos funcionários para ajuda nos seus problemas. 

 

Desde Julho de 2015, a Biblioteca Municipal de Espinho tem a competência de passar o "Diploma de Competências Básicas em Tecnologias da Informação.

publicado por antonio.regedor às 14:06
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2015

A papelaria e nova forma de olhar o cliente

12278689_925930030823769_8365107717972923220_n.jpg

A Papel & Ca. tem uma abordagem do cliente, diferente, original, interessante e criativa. É uma papelaria com outras valências, mas o seu conceito merecia receber a atenção de outros sectores, nomeadamente o do livro.

Seria bom que servisse de exemplo ao sector do livro que se tem mantido numa postura mais clássica. 

A livraria já não pode ser apenas livraria, da mesma forma que as biblioteca públicas há muito deixaram de ser apenas  depósitos patrimoniais.

Encontram-na em 

http://papers.online.pt/

e também no facebook

https://www.facebook.com/papelca/

 

Precisamos de mais iniciativas como esta

 

António Regedor

 

 

 

publicado por antonio.regedor às 18:09
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
25
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds