.posts recentes

. Portugal e a Bicicleta

. Livros proibidos

. Livros. Àgua. Terrorist...

. Copos e livros

. Bibliotecárias a cavalo

. Desafios e mudanças nas b...

. “Irmãos de Armas”

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 27 de Outubro de 2015

...

 

Absolutamente necessário ver, para perceber a mudança de paradigma necessário na publicação científica

https://www.youtube.com/watch?v=yE8dh2ztbTM

publicado por antonio.regedor às 22:13
link do post | comentar | favorito
|

Universo editorial científico

images.jpg

 

Universo editorial científico

 

O Universo editorail é cada vez mais aberto.  A Net como meio, o digital como formato, possibilitam e potenciam a difusão da informação com um mínimo de bareiras. 

Mas esta facilidade de acesso à informação produzida, e especialmente à iprodução  científica coloca, para bem e para o mal, a questão da mudança de paradigma do controlo autoral sobre o que se produz a uma escala muito superior à que se verificava na publicação física.

 O problema não é novo, mas ganha uma nova dimensão e visibilidade.  Na produção física o autor tinha controlo sobre determinada quantidade de exemplares produzidos, mas não sobre o número de leitores. Os direitos autorais limitavam-se aos exemplares produzidos e vendidos. Não aos lidos.  No plano digital, o controlo do lido é ainda menor,  e menor é também o controlo do reproduzido.  Começa a ser usual o autor não esperar receber pela publicação do seu trabalho científico. A que se reduz então o direito autoral?  Quem remunera o autor científico? Como se alterou a cedeia de publicação? E outras mais questões que se colocam. 

publicado por antonio.regedor às 10:19
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Outubro de 2015

Escritos Secretos

image.jpg

 

Barry, Sebastian - Escritos Secretos. Lisboa: Bertrand. 2009. ISBN: 9789722518338  

 

Mais um livro que inicio na leirtura. A sinopse promete um livro excepcional. A pessoa que me emprestou este livro é garantia de que vou gostar.  

 

publicado por antonio.regedor às 14:41
link do post | comentar | favorito
|

Livros digitais de biblioteconomia e ciência da Informação

3_White_logo_on_color1_1024-150x125.png

 

Livros digitais de acesso livre das áreas de biblioteconomia e ciência da Informação do repositório institucional UNESP

 

http://compartilheleituras.com.br/livros-digitais-gratis-de-biblioteconomia-e-ciencia-da-informacao/

O Repositório da UNESP prmove os seus títulos. Dá a conhecer a  produção científica da UNESP. Divulga e promove os seus investigadores.

publicado por antonio.regedor às 09:38
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Outubro de 2015

O Livro é um espelho

IMG_7657.JPG

 

Observo-os juntos e  vê-se que os une um laço invisível que eu mal consigo começar a compreender. Basta-me sentir-me parte da sua ilha e saber-me afortunado. A livraria dá para viver sem luxos, mas sou incapaz de me imaginar a fazer outra coisa. As vendas reduzem-se de ano para ano. Eu sou optimista e digo que o que sobe desce, e o que desce, um dia há-de subir. Bea diz que a arte de ler está a morrer muito lentamente, que é um ritual íntimo, que um livro é um espelho e que só podemos encontrar nele o que já temos dentro, que ao ler aplicamos a mente e a alma, e que estes são bens cada dia mais escassos.  Zafón, Carlos Ruiz - A sombra do vento. Lisboa: D. Quixote, 2004. ISBN 972-20-2709-3  p.397

tags:
publicado por antonio.regedor às 11:59
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 13 de Outubro de 2015

Os netos, os descobrimentos portugueses, o gosto pela náutica.

IMG_8356.JPG

 

Sempre que posso estar com os meus netos, procuro proporcionar-lhes programas educativos, coerentes e agradáveis.
Numa das últimas vezes, o programa foi subordinado à Náutica e à Expansão Marítima Portuguesa. 
Visitamos o Museu das Descobertas em Miragaia, Porto. Está situado num local simbólico para a expansão marítima portuguesa. Miragaia. Local onde na idade média se localizava uma praia ribeirinha com inúmeros estaleiros navais a funcionar. Aqui se construiu a maior parte da Armada que zarpou à conquista de Ceuta. Daqui se deu início aos descobrimentos marítimos portugueses. O início da colossal aventura do domínio de meio mundo. O pequeno país em território mostrou-se grande em ciência e querer. Este museu fascina especialmente por conseguir a ambiência do porão de uma nau; Pelo exótico do jardim tropical; Pelos impactos sensoriais provocados com recurso a simulação de efeitos atmosféricos e ambientais ao longo do percurso. Um agradável museu . 
Depois fomos visitar a Nau acostada em Vila do Conde. Aí foi o sentir dos espaços da embarcação, a utilização dada a cada um dos castelos, a coberta, o porão. O sentir como seria a navegação em tão aparentemente frágil embarcação. 
Seguiu-se a visita ao farol da Boa Nova. Avistar o horizonte e saber como ser visto. Ter a noção da importância do farol para a boa navegação. Conhecer o número de relampagos e o tempo do ciclo luminoso. Com esse conhecimento, saber que a bordo e olhando os faróis ao longo da costa temos a indicação do local exacto onde estamos a passas. 
Foi uma extraordinária aprendizagem sobre a navegação, os barcos, os sinais para a navegação. 
E finalmente, já em casa, a construção de uma miniatura de nau com recurso a materiais tão simples como a casca de noz, palitos e pequenos pedaços de madeira. 
Este programa demorou três dias a ser cumprido, sempre animado, com interesse, discutido, reflectido, com a informação a transformar-se em conhecimento. 
Aprendemos imenso, todos nós

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:51
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 10 de Outubro de 2015

nada acontece por acaso

IMG_9382.JPG

 

 “- Acho que nada acontece por acaso, sabes? Que, no fundo, as coisas têmo seu plano secreto, embora nós não o entendamos. Como o de teres encontrado aquele romande de Julián Carax no Cemitério dos Livros Esquecidos, ou o de tu e eu estarmos agora aqui, nesta casa que pertenceu aos Aldaya. Tudo faz partre de qualquer coisa que não conseguimos perceber, mas que nos possui.”

 Zafón, Carlos Ruiz - A sombra do vento. Lisboa: D. Quixote, 2004. ISBN 972-20-2709-3  p.203

tags: ,
publicado por antonio.regedor às 02:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Outubro de 2015

Os netos, os descobrimentos portuguesers, ao gosto pela náutica.

Nau 002.JPG

 

Os netos, os descobrimentos portugueses, o gosto pela náutica.
Sempre que posso estar com os meus netos, procuro proporcionar-lhes programas educativos, coerentes e agradáveis.
Numa das últimas vezes, o programa foi
subordinado à Náutica e à Expansão Marítima Portuguesa.
Visitamos o Museu das Descobertas em Miragaia, Porto. Está situado num local simbólico para a expansão marítima portuguesa. Miragaia. Local onde na idade média se localizava uma praia ribeirinha com inúmeros estaleiros navais a funcionar. Aqui se construiu a maior parte da Armada que zarpou à conquista de Ceuta. Daqui se deu início aos descobrimentos marítimos portugueses. O início da colossal aventura do domínio de meio mundo. O pequeno país em território mostrou-se grande em ciência e querer. Este museu fascina especialmente por conseguir a ambiência do porão de uma nau; Pelo exótico do jardim tropical; Pelos impactos sensoriais provocados com recurso a simulação de efeitos atmosféricos e ambientais ao longo do percurso. Um agradável museu .
Depois fomos visitar a Nau acostada em Vila do Conde. Aí foi o sentir dos espaços da embarcação, a utilização dada a cada um dos castelos, a coberta, o porão. O sentir como seria a navegação em tão aparentemente frágil embarcação.
Seguiu-se a visita ao farol da Boa Nova. Avistar o horizonte e saber como ser visto. Ter a noção da importância do farol para a boa navegação. Conhecer o número de relampagos e o tempo do ciclo luminoso. Com esse conhecimento, saber que a bordo e olhando os faróis ao longo da costa temos a indicação do local exacto onde estamos a passas.
Foi uma extraordinária aprendizagem sobre a navegação, os barcos, os sinais para a navegação.
E finalmente, já em casa, a construção de uma miniatura de nau com recurso a materiais tão simples como a casca de noz, palitos e pequenos pedaços de madeira.
Este programa demorou três dias a ser cumprido, sempre animado, com interesse, discutido, reflectido, com a informação a transformar-se em conhecimento.
Aprendemos imenso, todos nós

publicado por antonio.regedor às 22:16
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Outubro de 2015

Curso de Especialização Pós-Graduada em Gestão de Bibliotecas Escolares

img_4811.jpg

 

 Curso de Especialização Pós-Graduada em Gestão de Bibliotecas Escolares

3.ª Fase: 1 a 15 de outubro de 2015

Está aberta a 3ª fase de candidaturas ao Curso de Especialização Pós-Graduada em Gestão de Bibliotecas Escolares, da Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão (ESEIG) do Instituto Politécnico do Porto (IPP), que decorre até ao dia 06 de outubro 2015.

A Especialização Pós-Graduada em Gestão de Bibliotecas Escolares destina-se a Professores do Ensino Básico e do Ensino Secundário e Educadores de infância que desempenhem ou pretendam desempenhar funções no âmbito das bibliotecas escolares, Bacharéis ou Licenciados em qualquer área que pretendam adquirir ou aprofundar conhecimentos para o exercício de funções no âmbito das bibliotecas escolares.

O Curso de Especialização Pós-Graduada em Gestão de Bibliotecas Escolares destina-se preferencialmente a candidatos que estejam qualificados profissionalmente para a docência ou que tenham prática de ensino. O plano curricular está organizado em dez módulos que variam entre as 24 horas e 32 horas letivas.

Para informações mais detalhadas consultar a página Web: http://www.eseig.ipp.pt/cursos/pos-graduacoes/gestao-de-bibliotecas-escolares

Para qualquer esclarecimento adicional, por favor, enviar e-mail para: sac@eseig.ipp.pt. Escola Superior de Estudos Industriais e de gestão ESEIG - Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão. Licenciaturas, Pós-graduações, Mestrados, Cursos de Formação, Cursos Técnicos Superiores Profissionais, etc.

publicado por antonio.regedor às 16:42
link do post | comentar | favorito
|

Vicio

onda poética 001.JPG

 

"Julián abandonava os sonhos do Prado  por outro vício muito mais pernicioso  Tinha descoberto a bibliotca da rua del Carmen e devotava todas as tréguas que o pai lhe concedia na chapelaria a ir ao santuário dos livros e devorar volumes de ronance, de poesia e de história"   Zafón, Carlos Ruiz - A sombra do vento. Lisboa: D. Quixote, 2004. ISBN 972-20-2709-3  p.114

publicado por antonio.regedor às 00:56
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds