.posts recentes

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

. A MINHA ESTANTE NO DIA MU...

. Mértola

. Sempre a iniciar cursos

. rua de Sant’Ana

. Hans Christian Andersen

. O Mar e o Livro

. A aparente liberdade do l...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 30 de Dezembro de 2014

Porquê tão boa encadernação para nenhuma leitura?

images.jpg

 

Porquê tão boa encadernação para nenhuma leitura?

 

 

Numa estante de alfarrabista, no meio dos livros brochados, vi um livro de capa dura, que se destacava pela lombada negra lisa, mas com dourados a imitar os nervos e ainda dois entrenervos rubros e os restantes também dourados. Um entrenervo rubro com o rótulo do nome do tradutor e outro com o título. Um livro que se apresenta como anónimo e que Camilo traduziu cujo título é “A freira no subterrâneo”. Apenas no corte de cabeça foi dada a cor vermelha, hoje com aspecto de algo desbotada pelo tempo. O livro não tem expressa a data de edição na folha de título, nem no cólofon apesar de este indicar a casa impressora. De certeza apenas podemos afirmar que esta edição será posterior a 1874, segundo informação colhida na advertência do tradutor à 2ª edição.

Mais de um século andou este exemplar que possuo por uma ou mais estantes até chegar à estante do alfarrabista onde o comprei, sem que tivesse sido lido. Os cadernos ainda estavam fechados. Sou eu que os estou a abrir para o poder ler.

Qual a razão tão boa encadernação para nenhuma leitura?

 

António Regedor

 

 

publicado por antonio.regedor às 18:37
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 28 de Dezembro de 2014

Amor de perdição - localização do quarto de Teresa no romance de Camilo

mirante.jpg

Amor de perdição - localização do quarto de Teresa no romance de Camilo,  na edição de:

Castelo Branco, Camilo – Amor de Perdição. Porto: Domingos Barreira, 1943.

Tenho tentado localizar o quarto e essencialmente o Mirante de onde Teresa acenou a Simão quando este já no barco passava diante do Convento de Monchique a caminho do degredo.

O Convento foi construído por vontade e doação da fortuna de Pêro da Cunha Coutinho casado com Brites de Vilhena. Tomou o nome de Convento da Madre de Deus de Monchique de Miragaia. Era feminino e pertencia À Ordem dos Frades Menores, ou seja, dos Franciscanos.

Pela leitura do romance de Camilo ficamos a saber:

“Ia alta a noite, quando Teresa, sentada no seu leito, leu esta carta. Chamou a criada, para ajudá-la a vestir. Mandou abrir a janela do seu quarto e encostou as faces às reixas de ferro. Esta janela olhava para o mar, e o mar era nessa noite uma imensa flama de prata; e a Lua, esplendidíssima, eclipsava o fulgor dumas estrelas que teresa procurava no céu.” (p.169)

“Cruzou os braços Simão, e viu através do gradeamento do mirante um vulto (*). Quando escrevi este livro ainda existia o mirante. Agora, lá, ou por aí perto, está um salão de baile… (nota da 5ª edição). (p. 230)

“Às nove da manhã pediu a Constança que a acompanhasse ao mirante, e, sentando-se em ânsias mortais, nunca mais desfitou os olhos da nau, que já estava de verga alta, esperando a leva de degredados.”

“Foi então que Simão Botelho a viu.” (p.232)

“Simão encostou-se à amurada da nau, com os olhos fitos no mirante. Viu agitar-se um lenço, e ele respondeu com o seu aquele aceno. Desceu a nau ao mar, e passou fronteiro ao convento. Distintamente Simão viu um rosto e uns braços suspensos das reixas de ferro;…

De repente aquietou o lenço que se agitava no mirante, e entreviu Simão um movimento impetuoso de alguns braços e o desaparecimento de Teresa.” (p..233).

O quarto seria então virado a sul, com vista para o rio, e o mirante, provavelmente a poente de modo a permitir ver o cais da ribeira e a zona de sobreiras a jusante. Na foto será talvez a zona onde a ruina a poente apresenta uma secção quadrada. Talvez tenha sido aí o mirante.

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 23:44
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
25
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds