.posts recentes

. Manual APA 2016

. Emergent Literacies in Ac...

. Bibliotecários e Produção...

. Relógio D`água-editores L...

. Maria de Lourdes Pintasil...

. Patron Driver Adquistion

. ZOTERO

. O conceito de "UNO" em Pl...

. 25 Xulio Dia da Pátria Ga...

. Elogio ao meu amigo Gaspa...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 5 de Março de 2014

CIÊNCIA E CINEMA PORTUGUÊS

 

 

 

Há dias o sexpresso  dava conta de um filme português nomeado para os Prémios Emmy Digitais da International Academy of Television Arts & Sciences.

O filme tem por título 'Collider', é da empresa portuguesa “ beActive” e o tema é a ciência.

"Collider" é "baseado nas experiências realizadas na Organização Europeia de Investigação Nuclear (CERN), no Large Hadron Collider, local onde foi encontrado o 'Bosão de Higgs'", na base da atribuição do Prémio Nobel da Física de 2013 ao britânico Peter Higgs.

Não apenas interessante, mas principalmente importante é que os portugueses adoptem para temas dos seus filmes, a ciência.

A evolução da cinematografia portuguesa no século XX  é descrita por Regina Guimarães e Saguenail como muito “normativizada” e popular, típica dos anos 30 a 50, para a afirmação do cinema de autor, assumidamente subversivo e experimental dos anos 60, atravessando-se a fase de uma forte politização e ideologização do cinema (nos anos 70 e primeira metade da década seguinte), e passando-se em seguida por várias tentativas de maior conquista do grande público através da aposta na “pura” ficção (sobretudo nos anos 80), até se chegar à tendência mais irreverente do “realismo” radical dos anos 90 e inícios do século XXI.(1)

O filme português, falado em inglês, já foi exibido em festivais de cinema em Londres, no Reino Unido, Genebra, na Suiça, e em Galway, na República da Irlanda, e teve estreia nas salas de cinema portuguesas, em novembro do ano passado.

Este ano o filme já teve estreia na República da Irlanda, devendo também entrar no circuito comercial nos Estados Unidos, no Reino Unido e no Japão.

 

O filme "Collider" constitui a terceira nomeação da portuguesa beActive para os Emmy, depois da série "Castigo Final", em 2010, e do filme "Beat Girl", no ano passado, com o informa em comunicado a produtora.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/filme-portugues-collider-nomeado-para-os-emmy-digitais=f857837#ixzz2uLBfD0g6

Official Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=BPlm60nx4Y8

 

(1)   Ler cinema: o nosso caso (conversas e outros textos em volta de um certo cinema português), organizada por Regina Guimarães e Saguenail.

 

Guimarães, Regina, Colab. - O ciclo Ler Cinema: O Nosso Caso. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, Direcção Municipal de Cultura, Videoteca Municipal de Lisboa 2007. ISBN 978-989-95561-0-2

publicado por antonio.regedor às 17:50
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Março de 2014

O papel da Distribuição na Indústria Editorial

 

Factores de anulação da distribuição tradicional.

A indústria editorial tradicional, teve um momento de crise com o estrangulamento da distribuição.

A produção editorial é muito desigual e acede à distribuição de forma muito diferenciada.

As distribuidoras sempre serviram essencialmente as editoras com capacidade de tiragem que justificasse a dispersão da edição por grande número de postos de venda.

A necessidade de grande rotação da edição, com consequente grande rotação da distribuição, reduz as livrarias de fundos.

As grande editoras, contornando as dificuldade e custos de distribuição, aproveitaram a aproximação directa aos grandes pontos de venda, tendo margem para descontar o custo da distribuição.

Com o colapso da distribuição as grandes editoras abriram as suas próprias redes de venda, prescindindo de outra entidade para distribuição.

A venda online é outro factor de anulação da distribuição.

 

As pequenas editoras, nunca tiveram bons canais de distribuição.

As novas condições de colocação do produto livro no mercado, exigindo um maior esforço ás editoras e percebendo que as mais pequenas dificilmente cumpriam os objectivos de distribuição, promoveram a concentração como estratégia de economia de escala e de visibilidade.

As concentrações resultaram essencialmente em máquinas de colocação de produto e não de refinamento da produção. Ou seja, um certo focar na venda e não na relação com o autor, na descoberta de novos autores, na qualidade, promoção, visibilidade.

A  concentração e focagem na venda maximização dos resultados, levou ao abrandamento da preocupação da qualidade. Isto fez expandir o segmento do livro de fait-divers, rosa, banal, consumível, de fenómeno esporádico. O cuidado com a qualidade e com o livro literário parece ter sido abandonado.

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 23:58
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 2 de Março de 2014

Ciência e o risco de a perder

 

O caminho que o país tem vindo a percorrer na valorização dos seus recursos humanos é acertado. Reconhecimento internacional das universidades. Reconhecimento internacional dos alunos das universidades portuguesas. A prova é os alemães recrutarem engenheiros portugueses, ingleses recrutarem enfermeiros portugueses, entre muitos outros em muitos lugares do mundo.  Prova que a aposta na formação superior feito pelo estado  e pelas famílias, nos últimos anos, foi correcta.

Isto também prova que o desinvestimento que está a ser feito  na ciência e no ensino superior, é desastrosos. Pode vir a comprometer, a qualidade,  a credibilidade, a visibilidade da formação superior portuguesa. E isso seria a destruição de quarenta anos de  bom trabalho.

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 22:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds