.posts recentes

. Portugal e a Bicicleta

. Livros proibidos

. Livros. Àgua. Terrorist...

. Copos e livros

. Bibliotecárias a cavalo

. Desafios e mudanças nas b...

. “Irmãos de Armas”

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 17 de Setembro de 2013

...

A questão da destruição de documentos probatórios da negociação SWAP veio mostrar que a actividade arquivística é de enorme importância e responsabilidade.

O Arquivo como actividade probatória da administração deve ter regras claras e sérias que garantam a seriedade e confiança na acção administrativa.

A direcção e orientação da actividade arquivística deve estar protegida de eventuais interesses contrários à actividade probatória arquivística.

Os arquivos administrativos devem ser enquadrados por lei. No caso concreto dos SWAP há portaria que pelo que parece não foi cumprida. Há certamente um responsável por uma ordem de eliminação  ilegítima.

Os arquivos não podem ser entregues a curiosos, irresponsáveis ou sujeitos a actos contrários à lei.

É necessário legislar para que nos arquivos trabalhem exclusivamente arquivistas diplomados e sujeitos a código de  ética profissional. Paralelamente que tenham uma actuação apenas pautada pela lei e  independente  de outros interesses. Nomeadamente nos que aconteceram que aparentemente foi o da destruição de documentos comprometedores de determinada acção que alguém pretendeu esconder de um acto de juízo.

Provavelmente acontecerá o mais fácil para os prevaricadores, que é o não tirar ilações deste episódio. Mas caberá à comunidade de arquivistas e técnicos de informação responsáveis alertar para o sucedido e exigir para o bom nome da administração púbica e privada que se legisle no sentido de haver arquivistas com missão e responsabilidade expressa em lei e que nos arquivos só trabalhem destes profissionais habilitados. Tal como só médicos podem receitar ou arquitectos e engenheiros assinar os projectos das suas competências.

É necessário acabar com a falta de rigor no recrutamento de profissionais para sectores cruciais para o bom nome e credibilidade da custódia da documentação probatória dos  actos administrativos.   

 

publicado por antonio.regedor às 12:35
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Setembro de 2013

Falta de candidatos em Ciência da Informação

 

A minha preocupação com a formação em CIÊNCIA  da INFORMAÇÃO  levou-me a procurar saber como tinha sido o ingresso nos cursos de Ciência da Informação nas Universidades Portuguesas. Pela informação a que consegui aceder verifiquei que apenas na Universidade do Porto as vagas foram preenchidas. Na Universidade de Évora apenas se inscreveram seis candidatos. Na Universidade de Coimbra apenas cinco candidatos.

A falta de alunos nos cursos de ciência da informação, poderá entre outros hipóteses ter a ver com menor capacidade económica , com o encerramento de empresas, com o facto da profissão de bibliotecário ter deixado de ser uma carreira especial na administração pública, por não haver progressão nas carreiras,  pela não exigência em todos os casos de habilitação específica para professor bibliotecário. Tudo isso junto poderá constituir possíveis explicações para o desinteresse  pela formação em ciência da informação. 

No entanto, verificamos cada vez mais a necessidade dos profissionais de ciência da informação nas empresas, nos arquivos, nas  bibliotecas, nas editoras e nos meios de comunicação entre outros sectores da actividade económica.

publicado por antonio.regedor às 23:08
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 8 de Setembro de 2013

Boas práticas em biblioteca

 

*

O Bibliotecário Borges. Sim, esse mesmo, o Jorge Luís Borges,  escritor.

Como outros  bibliotecários tem também gostos, interesses e leituras próprias que constituem a sua próprias biblioteca, ou colecção para usar o termo técnico. Como outros bibliotecários pode deixar ou não a sua colecção para a biblioteca à qual se sente ligado por alguma razão. Colecção que pode não se confundir, mas pode fundir com essa biblioteca de comunhão.  Isto aconteceu com Borges que foi Director da Biblioteca Nacional da Argentina. A esta biblioteca fez uma doação de livros e revistas. Os exemplares da colecção doada à Biblioteca Nacional não foram identificados com identificação do proprietário doador. Mas a colecção doada foi integrada na colecção da BN, o que é correcto. O que prova não ser correcto é a falta de identificação de origem da aquisição, neste caso por doação. Todos os documentos deveriam ter sido identificados com indicação do doador e posteriormente integrados na colecção da biblioteca. Um trabalho simples feito no momento certo que seria o da integração. Isso não foi feito.  

Os documentos que pertenceram a Borges que hoje conseguem ser identificados são os que possuem  anotações manuscritas nas margens dos livros e revistas.  Hoje em dia, há bibliotecários que percorrem os depósitos da Biblioteca Nacional da Argentina a detectar livros e revistas pertencentes a Borges. Numa revista encontraram um manuscrito. Um “encontro” que poderia ter sido feito logo no momento da  preparação da doação para incorporação.

Recentemente, por acção, dessa pesquisa nos documentos que se identificam como pertenca de Borges foi encontrado um manuscrito  com o testo que corresponde ao final do “Tema do Traidor e do Herói” como aparece na edição de 1944 de “Ficções”. Esta recuperação foi feita porque dois bibliotecários andam há vários anos a fazer esta pesquisa. Dois bibliotecários durante vários anos dedicados a esta tarefa constitui  certamente um custo muito elevado.

Esta história permite reflectir sobre a vantagem das boas práticas em biblioteconomia. Se tivessem existido na altura da doação, hoje não haveria dúvidas sobre a origem e propriedade da biblioteca doada de Borges, o material acompanhante teria sido identificado e conhecido. As boas práticas em biblioteca são mais económicas e racionais como medida de gestão, garantem maior fidedignidade à colecção, são mais eficazes para a recuperação.

Mas infelizmente as boas práticas nas bibliotecas têm vários adversários. Estre eles estão a falta de sensibilidade política para a necessidade de dotar as bibliotecas apenas com bibliotecários diplomados. A falta de legislação que a isso obrigue. A falta de massa crítica cívica que isso exija. A falta de empenho reivindicativo da comunidade de bibliotecários nesse sentido. Mas há esperança.  

* texto feito a partir da leitura da notícia: http://www.publico.pt/cultura/noticia/bibliotecarios-argentinos-encontram-manuscrito-de-borges-1605185

 

publicado por antonio.regedor às 13:02
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds