.posts recentes

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

. A MINHA ESTANTE NO DIA MU...

. Mértola

. Sempre a iniciar cursos

. rua de Sant’Ana

. Hans Christian Andersen

. O Mar e o Livro

. A aparente liberdade do l...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 22 de Abril de 2013

Estado, Ética, Governação - ideias e valores em mudança"

A data condiz perfeitamente com o tema do Serão da Bonjóia.

O tema é: " Estado, Ética, Governação - ideias e valores em mudança"

A conferencista  é a Professora Catedrática Prof. Doutora Judite de Freitas.

A sessão, claro está, é na Quinta da Bonjóia - Rua de Bonjóia, 185. Campanhã

Dia 25 de Abril,( 5ª feira) pelas 21h15. Con entrada grátis

publicado por antonio.regedor às 12:10
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Abril de 2013

2013 o ano da Não feira do livro

Este ano de 1013 parece não haver condições para realizar a feira do livro no Porto.

Não há entendimento entre a APEL  e a câmara do Porto para a realizar na baixa do Porto.

Desde 1930 que se realizam feiras do livro e Portugal. Em espaços públicos. Em Lisboa no Rossio e Parque Eduardo VII e no Porto começou na Praça da Liberdade, depois foi subindo pela avenida acima. No tempo da ditadura compreende-se que fosse feita na rua. A ditadura não tinha especial estima pela alfabetização, nem pela leitura, nem pelo livro. Afinal, era o regime do livro único nas escolas, sem bibliotecas e com cerca de 20% da população analfabeta ainda nos anos 60. A esmagadora maioria tinha 4 anos de escolaridade. A feira era a oportunidade da classe média paupérrima e ávida de cultura poder comprar em feira poupando alguns escudos. Com a democracia a feira ainda se  realizou  na Rotunda da Boavista e posteriormente no Palácio de Cristal. Local quanto a mim, mais digno e acolhedor para o livro, na companhia da Biblioteca Almeida Garrett. O Rui Rio voltou a mandá-la para a rua como no “outro” tempo em que pouco em nenhum interesse havia pelo livro.

Sempre me manifestei, concretamente aqui no blog, contra a feira na rua.

Em 2 de Junho de 2007 dizia: “Confesso que prefiro as feiras do Livro em espaço fechado. Mais intimo e menos dependente dos humores do tempo. Mais identidade e menos feira das farturas. Mais intencionalidade e menos dispersão.”

Em 2 de Fevereiro do ano seguinte a feira esteve para voltar à Avenida dos Aliados mas lá ficou pelo Palácio de Cristal. Perante a eventualidade disse: “Preferia a Feira do Livro em espaço fechado…A Feira na rua é desconfortável, desagradável. É uma coisa de ver e andar. Não dá jeito andar com o guarda-chuva numa mão, sacas de livros na outra com a água a entrar nas sacas, molhar os livros e não ter mais mãos para pegar noutros livros, ler, tirar a carteira e pagar. Considero que a Feira do Livro no Pavilhão do Palácio de Cristal tinha melhores condições ambientais. No pavilhão havia um espaço para as crianças que quanto a mim só pecava por ser pequena e pouco visível. O espaço de café e auditório era muito agradável. Talvez fosse interessante outros espaços com actividades paralelas com forte componente da imagem e música dirigidos essencialmente ao segmento de público jovem. A tenda pareceu-me sempre espaço de parente pobre. Mas como a sua necessidade é evidente, então seria de aumentar e estender o espaço de tendas até à Biblioteca Almeida Garrett de modo a aproveitar ainda a galeria deste edifício e inserir a própria Biblioteca numa grande festa do livro e da edição.”

A 10 de Maio de 2010 aquando do regresso da feira aos Aliados voltei a dizer:” Confesso que gostaria mais da Feira em espaço coberto. Com zonas de leitura e descanso. Zona de restauração e bares. Babysitting e biblioteca infantil e juvenil com actividades.
O Palácio parece-me bem e seria forma de o utilizar e ligar  à biblioteca e à galeria de arte. O que nunca foi feito.”

 

 A Feira na baixa tem certamente mais custos. Pavilhões mais complexos, mais policiamento, mais vigilância por mais horas, mais montagens de pavilhões. E muito menor qualidade. Estive no ano passado na apresentação de livro “O Estado em Portugal (séculos XII-XVI), de Judite A. Gonçalves de Freitas, edições Alêtheia, 2012” e o espaço destinado a auditório mais parecia um contentor das obras. Coisa deprimente. Não é certamente o melhor para a festa e para o mercado do livro.

Este ano não haverá feira, o presidente da câmara entende não comparticipar neste custo. Tem os seus gostos. Os automóveis e os aviões. Não os livros. 

A feira do livro não é apenas uma actividade comercial. É uma grande iniciativa cultural, e devia ser ainda maior a actividade comercial que desenvolve. É o focar no livro, um produto que tem vários concorrentes na fileira dos consumos culturais.  É um objecto de cultura, de literacia, de cidadania. É também e cada vez mais um produto industrial o que não o faz deixar de ser em parte do seu segmento um dos mais preciosos produtos socio-culturais.  A feira do livro não  deveria limitar-se à venda do livro, em boa parte ao escoamento de stocks,  a algumas acções de autógrafos e pouco mais, mas devia mesmo crescer para o patamar da negociação de direitos de autor, dar impulso à figura do agente literário, promover mais iniciativas paralelas com sectores ligados à indústria editorial e profissões ligadas ao livro.

Havia três opções: Anular, manter ou crescer. Naturalmente uma delas foi a escolhida.

 

publicado por antonio.regedor às 10:09
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Abril de 2013

História da primeira faculdade de Letras da UP

Um livro de Pedro Baptista, sobre a  história da primeira faculdade de letras do Porto, que nasceu em 1919, na Quinta Amarela, junto à Boavista, e desapareceu em 1931.

Foram nela professores como Leonardo Coimbra, Damião Peres, Francisco Torrinha, Magalhães Basto, Homem-Cristo, Newton de Macedo. E teve alunos  como Agostinho da Silva, Casais Monteiro, Delfim Santos ou Sant’ Anna Dionísio.

publicado por antonio.regedor às 10:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
25
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds