.posts recentes

. Ensino Superior. Ranking

. ALMARAZ E OUTRAS COISAS M...

. DÍVIDA E SOMBRA

. Cinema e literatura, as i...

. A paisagem pertence a que...

. A tua citação preferida

. Ele, O Livro. Transforma-...

. Folio

. Escritaria

. Financeirização do proces...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

...

 

Este livro traça a evolução das estruturas políticas e sociais desde o Portugal medieval até aos alvores da Época Moderna, procurando explicar as raízes da formação política do Estado moderno, examinando os seus principais aspectos: a irradiação da Corte régia, a criação e a consolidação das instituições centrais, as lutas dinásticas, a emergência do poder local, a expansão territorial e o desenvolvimento da cultura política. Com base nos estudos mais actualizados procede-se a uma análise crítica da correlação de forças estabelecida entre o poder régio e a sociedade política de forma a comprovar que uma boa parte dos fenómenos relacionados com o aparecimento do Estado e a ideia política associada têm origem na Idade Média tardia.

 

Nota biográfica:

Judite A. Gonçalves de Freitas é professora catedrática na Universidade Fernando Pessoa. Licenciada em História (1987), Mestre em História Medieval (1991), Doutorada (1999) e Agregada (2007) em História pelo Departamento de História e de Estudos Políticos e Internacionais da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. É membro do grupo de Estudos Medievais e do Renascimento do Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade (CEPESE-FCT) da Universidade do Porto. As principais áreas de incidência da sua actividade de investigação têm sido a História do Estado, as instituições centrais, as sociedades políticas e o poder régio, tendo publicado dois livros no âmbito destas temáticas: A Burocracia do «Eloquente» (1433-1438): os textos, as normas, as gentes (1996) e «Teemos por bem e mandamos». A Burocracia Régia e os seus oficiais em meados de Quatrocentos (1439-1460), 2 vols (2001), e ainda D. Branca de Vilhena: património e redes sociais de uma nobre senhora no século XV (2008). Tem publicado trabalhos sobre Chancelaria e Diplomática régias e divulgou no estrangeiro os principais balanços que efectuou sobre historiografia medieval portuguesa.

publicado por antonio.regedor às 01:17
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012

Ex-aluno de Pós-graduação em Ciências da Informação e da Documentação da UFP, lança livro.

 

  • Ex-aluno de Pós-graduação em Ciências da Informação e da Documentação  da Universidade Fernando Pessoa, coloca em banca o seu trabalho de vários anos de reflexão cívica.

Sai do prelo o livro “Manifestos contra o medo. Antologia de uma intervenção cívica” da autoria de Luís Norberto Lourenço.

O livro é apresentado dia 3 sexta feira, pelas 21.30h em Castelo Branco

publicado por antonio.regedor às 10:10
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012

...

 

 

 

 

 

Judite A. Gonçalves de Freitas

 

O ESTADO

 

EM

 

PORTUGAL

 

Este livro traça a evolução das estruturas políticas e sociais desde o Portugal Medieval até aos alvores da Época Moderna, procurando explicar as raízes da formação política do

 

Estado moderno

, examinando os seus principais aspectos: a irradiação da Corte régia, a criação e a consolidação das instituições centrais, as lutas dinásticas, a emergência do poder local, a expansão territorial e o desenvolvimento da cultura política. Com base nos estudos mais actualizados, procede-se a uma análise crítica da correlação de forças estabelecida entre o poder régio e a sociedade política, de forma a comprovar que uma boa parte dos fenómenos relacionados com o aparecimento do Estado e a ideia política associada tem origem na Idade Média tardia.

 

 

O ESTADO

 

EM

PORTUGAL

 

 

(SÉCULOS XII-XVI)

 

ISBN:

 

 

978-989-622-444-8

 

publicado por antonio.regedor às 22:35
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2012

Mimeógrafo

Mimeógrafo - aparelho que permite obter numerosas cópias a partir de um original dactilografado ou manuscrito pelo uso de uma folha de papel parafinado ou de stencil convenientemente gravada e tintada por meio de um rolo próprio para esse efeito; foi inventado por Edison.

Mimeografia - cópia obtida por meio do mimeógrafo.

FARIA, Maria Isabel; PERICÃO, Maria da Graça - Novo Dicionário do Livro da escrita ao multimédia. [Lisboa]: Circulo de Leitores, 1999. ISBN 972-42-1985-2

Da minha memória o  termo mimeógrafo nunca foi muito usado, apesar de eu próprio ter usado muitas vezes este processo de policópia na sua ferramenta mais elementar.  Na sua forma mais original é  idêntico à serigrafia. Uma caixa com uma trama onde se coloca o stencil e se entinta com um rolo de borracha. A perfuralão do stencil vai deixar passar a tinta que no papel corresponde à mancha gráfica do texto. Este modo de reprodução artesanal de folha a folha é també conhecido pelo "vietnamita". Foi usado em tempos de ditadura em Portugal, por mim e outros camaradas, numa casa da zona da Boavista e onde imprimimos por este processo vários textos distribuídos nas zonas operárias do Grande Porto. Tinha a vantagem de ser fácil de transportar e de esconder. As várias componentes serem transportadas por várias pessoas. Ser fácil de usar ( o rolo que tínhamos esfolava os dedos). Ser silencioso. Tinha também vários inconvenientes. Sujar muito de tinta, deixar impressões digitais se não houvesse cuidado. 

A evolução foi para os copiadores de rolo, primeiro de manivela, depois eléctricos. Conhecidos por Gestetner, a marca comercial.

Na transição cheguei ainda a ver copiadores a alcool. O original era do tipo "folha de papel químico" manuscrita ou dactilografada. Apesar de ser um processo  mecânico e mais limpo, o número de cópias era muito limitado, de pouco contrate e que se degradava substacialmente de cópia para cópia.

Hoje tudo é diferente. 

publicado por antonio.regedor às 12:44
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2012

...

 

  • Ex-aluno de Pós-graduação em Ciências da Informação e da Documentação  da Universidade Fernando Pessoa, coloca em banca o seu trabalho de vários anos de reflexão cívica.

Sai do prelo o livro “Manifestos contra o medo. Antologia de uma intervenção cívica” da autoria de Luís Norberto Lourenço.

Luís Norberto Lourenço é professor, Licenciado em História e  Pós- graduado em Ciências da Informação e da Documentação pela Universidade Fernando Pessoa

 

Luís Norberto Lourenço combina a formação em História, com economia e Ciências da Informação e da Documentação.

O laicismo é o garante do respeito que nutre pela diversidade de crenças, pensamento e opções de cada um.

Esse respeito que tem pelas opiniões dos outros confere-lhe o direito de ter opinião que procura ser  ponderada, maturada e de bom senso.

Reparte as suas reflexões pelas questões da democracia, da cidadania, da política e da cultura.

Na democracia podemos vê-lo a falar da história democrática, do acto de votar, da contingência das escolhas e opções. Na política encontramo-lo a olhar os partidos com o conhecimento do interior e o distanciamento que o cientista social deve ter na observação distanciada, não se deixando enredar no subjectivismo para criticar com maior clareza e objectividade.  Na cultura, constatamos a sua autoridade nas questões do ensino, das bibliotecas, dos museus e arquivos. Na cidadania não se limita ao comentário, mas também o vemos engajado. Não se limita a participar, mas vai mais além, na acção de organizar, promover, incentivar, impulsionar.

Combina o pensamento, a palavra e a escrita tanto nas questões nacionais como nas locais.

Não se limita a ver o Mundo, mas também a reflecti-lo, para o transformar.

Não se fica pela critica, mas procura também oferecer a proposta.

É um cidadão que não se limita a ser actor social, mas também autor da vida que preenche com a razão.

publicado por antonio.regedor às 17:32
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2012

Porque é demasiado importante para não ser divulgado

Porque se trata de cultura e educação.

Porque é demasiado importante para não ser divulgado

A Universidade dos pé-descalços

http://www.ted.com/talks/lang/pt/bunker_roy.html#.Tty9NE-cDhE.facebook

 

publicado por antonio.regedor às 11:22
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds