.posts recentes

. Populismo

. Liberalismo e neoliberali...

. Uma terceira vida para o ...

. Vanessa Redgrave

. Espinho e a génese das bi...

. Ferramentas de informação...

. Português no México

. Os índices de citações

. A Guerra nos Balcãs: jiha...

. PISA Leitura acima da mé...

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2017

Populismo

populismo.jpg

 
Historicamente o populismo seria um sistema e que a legitimidade do príncipe estaria no povo e não na sua condição de príncipe.
Mais recentemente o populismo tem uma conotação pejorativa. Essa negatividade começou quando as elites deixaram de ver no populismo uma barreira contra o comunismo. A partir do momento em que esse receio foi afastado, passaram a sentir o populismo como ameaça aos seus interesses.
O populismo é essencialmente uma forma de exercício do poder que assenta na relação directa com os eleitores. A relação é emocional, nunca racional. Para isso utiliza o preconceito, a crença irracional, a convicção não fundamentada, o sentimento primário e emotivo. A pulsão não controlada.
Pode agir sob variados conteúdos ideológicos. Não tem estabilidade ética, nem princípios racionais. Utiliza a democracia de forma parasita e para a desvalorizar. Utiliza os partidos para melhor controlar e moldar a opiniões e comportamentos. Utiliza diversos meios de influência psicológica e social.
Tem como principal alvo as massas desinformadas, incultas e manipuláveis.
Tanto pode ocorrer à direita como à esquerda. A América Latina é rica neste tipo de manifestação, como os casos do Perón na argentina, Getúlio Vargas no Brasil, Chavez na Venezuela.
É comum o discurso nacionalista e medidas proteccionistas do tipo nacionalizações, protecção de importações, restrições de capitais estrangeiros, controlo dos direitos das burguesias nacionais. Mas em todos os casos assenta em políticas autoritárias
tags:
publicado por antonio.regedor às 19:15
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2017

Liberalismo e neoliberalismo

Neoliberalismo.jpg

 

 

Vilfredo Pareto foi um economista  liberal e sociólogo italiano do século XIX.

Era anti-socialista, defensor do mercado e do ponto de vista siciológico era defensor da dominação das elites.

Assim sendo, foi  um dos teóricos do fascismo.

No âmbito da  ideologia liberal  considerava que a democracia era uma ilusão.

Do ponto de vista sociológico considerava que  uma classe dominante sempre subsistirá  enriquecendo-se cada vez mais.

A sua perspectiva económica é a da  redução drástica do Estado

Ora foi isto que aconteceu no tempo de Mussolini:  Destruição da liberdade política; Substituição  da  gestão estatal pela gestão privada;  Diminuição  dos impostos sobre a propriedade;   Alberto De Stefani ministro das finanças de Mussolini reduziu impostos, aboliu isenções fiscais que beneficiavam contribuintes de de renda mais baixa, facilitou as transações com ações,  desregulou os alugueis, privatizou os seguros de vida e transferiu a gestão do sistema de rádio para o setor privado

O século XXI foi  nitidamente marcado pelo reanimar destas ideias, agora em movimento denominado neoliberal.  O menos estado, a venda dos bens públicos a privados, o aumento das desigualdades por perda dos mecanismos de redistribuição da riqueza e a consequente concentração dessa riqueza, por destruição da classe média e alargamento da base de empobrecimento.

E tudo isto, já resultou em grandes tragédias como nos documenta a história. 

A Universidade de Chicago é considerada o berço da ideologia neoliberal, pelo predomínio do pensamento de Milton Friedman, representante da escola monetarista, da absoluta liberalização do mercado e do não intervencionismo regulador estatal, a par das privatizações e da recusa dos gastos sociais.

 

Sabemos que o mercado por si é devorador. Impiedoso na obtenção de lucros que sem regulação e intervenção orientadora do estado, leva à concentração  da riqueza num cada vez mais pequeno número. O actul 1%  contra os 99%.  É a intervenção do estado que pode traçar políticas e que através dos gastos sociais promove a redistribuição da riqueza produzida.  A escolha é clara.

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:31
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 4 de Fevereiro de 2017

Uma terceira vida para o livro

Simoes-975x596.jpg

 

Mais uma livraria alfarrabista fechou. Desta vez em Faro. A Livraria Simões faliu. Ficaram  quinhentos mil livros no limbo, sem perspectiva imediata de vida. Enquanto aberta, os livros esperavam por curiosos, colecionadores, estudiosos e menos endinheirados. Agora o sábado dia 4 de Janeiro serão ofercidos a quem os quiser lá ir buscar.  Talvez a Biblioteca Pública de Faro também possa acolher alguns para lhes dar terceira vida.

Muitas histórias terão estes livro para contar para além da que contam por palavras do seu autor. Da sua primeira vida tipo a tipo, linha a linha e página e volume. Da entrada na máquina de intintar e na máquina do mercado editorial. Da tipografia para a estante. A da montra para os mais sortudos, e a daprateleira de cima para os que do esquecimento se vão livrando.

Depois a segunda vida na mão do leitor, e de mão em mão dos empréstimos e dedicatórias. Algumas vidas pacatas na estante da livraria doméstica ou na agitação da vida, tida, do comércio alfarrabista.

Agora uma nova tentativa de vida, nova mão, novo futuro. Incerto.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:08
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2017

Vanessa Redgrave

MV5BMTI3MjE0OTgzNF5BMl5BanBnXkFtZTcwOTQ3ODMwMg@@._

Vanessa Redgrave actriz inglesa fez  no dia 30 de Janeiro 80 anos de idade.  Venceu o  Óscar  de actriz secundária no filme “julia” de 1977 contracenando com Jane Fonda e Meryl Streep.  https://www.youtube.com/watch?v=IAcOsK9gRLk  Participou em “Blowup up” 1966; “Camelot” 1967;  “Isadora” 1968; “Mission: Impossible” 1996;  “Murder on the Orient Express” 1974 adaptação de  um livro de Agatha Christie;  “A Month by the Lake” 1995 contracenando com Uma Thurman;  “The Trojan Women” 1971 contracenando com Katharine Hepburn; “Cradle Will Rock” com um elenco que inclui   John Cusack e Susan Sarandon;  “Yanks” contracenando com  Richard Gere;  “The House of the Spirits”, adaptação do romance de Isabel Allende; “The Pledge” 2001 contracenando  com Jack Nicholson; “The Charge of the Light Brigade”, 1968; “Mrs. Dalloway” 1999 adaptação do romance de  Virginia Woolf;   “Wilde” 1997 adaptação da biografia de Oscar Wilde.  

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 01:09
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2017

Espinho e a génese das bibliotecas municipais

Encontro-Luso-espanhol.jpg

 

Maria José Moura é uma das pessoas mais conhecidas da Rede Nacional de  Bibliotecas  Públicas.  Fez o curso de bibliotecário-arquivista e exerceu a profissão na universidade de Lisboa durante 20 anos. Foi presidente da BAD (associação de bibliotecários,  arquivistas  e documentalistas  e dirigiu a rede nacional de bibliotecas públicas.    Publicou recentemente  no “Notícia BAD” jornal dos profissionais de informação,  alguns apontamentos sobre  50 anos de profissão.  Da sua profissão.

Como ela própria diz e lembrando Raul Proença: “… não haverá profissão bibliotecária em Portugal enquanto as diferentes bibliotecas do país…não exigirem aos seus funcionários um diploma de estudos bibliotecários”.

Também por isso se bateu. E dessa luta dos bibliotecários portugueses resultou o  Decreto-Lei nº 247/91 de 10 de Junho de 1991 que estabelece o estatuto das carreiras de pessoal específicas das áreas funcionais de biblioteca e documentação e de arquivo.  Infelizmente hoje os profissionais deixaram de ter este instrumento de dignificação da biliotecas e arquivos, da profissão e dos profissionais. Urge voltar a repôr o sentido dessa legislação de 1991.

As relações internacionais fora também uma sua preocupação e de entre as inúmeras iniciativas internacionais, refere o 2º seminário Luso-Espanhol realizado em Espinho, a que dá destaque com fotografia da época. Foi na sessão de abertura presidida pela vereadora Elsa Tavares com , com Ana Paula Gordo, Maria José Xerez, do Ministério Espanhol, Maria José Moura e António Martin Oñate, da Associación Andaluza de Bibliotecários.

A génese do programa de bibliotecas  de leitura pública para portugal que se concretizou na  e rede nacional de bibliotecas municipais, também passou por Espinho e pela capacidade de na época se ter sido capaz de atrair uma reunião internacional desta temática para a nossa cidade.

 

António Rgedor

publicado por antonio.regedor às 12:53
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 31 de Janeiro de 2017

Ferramentas de informação e Bom uso

16425736_10211820935019423_1729946319099855633_n.j

 

 

 

Toas as ferramentas podem ser bem ou mal usadas.  As redes sociais são o caso e o facebook em especial pela expansão  e popularidade alcançada.

O facebook é como o largo da aldeia. É bom para comunicar.  Mas no espaço público está boa e má gente. 

Alguma da informação que circula no facebook é de má qualidade por inexperiência, descuido ou até mesmo ignorãncia. Mas há também péssima informação por má fé, falsa, incorrecta, maliciosa.  E contra isso há que prevenir.

Seria bom que o fb fosse um espaço decente, de credibilidade, cordialidade.  Mas nem sempre é assim. Há que executar um conjunto de procedimentos para usufruirmos de um espaço público mais limpo, saudável, verdadeiro.

Há que realizar algumas tarefsa contra as falsas notícias.  A figura ajuda-nos a ordenar esses cuidados a ter. 

Perante um post devemos:

Conhecer a fonte, de onde vem, que credibilidade  temo site ou a pessoa ou a notícia.  De onde vem a história ? quem lhe dá credibilidae?

O que estará por trás desse post? Que intenção? Que verdade?

Saber quem é o autor? Merece confiança? È um académico a falar de ciência é um especialista?

Que data tem a história? Foi posteriormente desmentida?  Ou é uma piada?

Verifique  se os seus próprios preconceitos fazem julgamento sem fundamento. E afectam a credibilidade da notícia.

Pergunte a especialista. Pergunte a um bibliotecário ou um especialista em informação eles ajudarão a identificar pontos importantes para a identificação das fontes, autores, datas e matérias.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 09:58
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2017

Português no México

Luís Lourenço.jpg

 

 

Luís Norberto Lourenço foi um dos portugueses que entendeu ser preferível procurar emprego no estrangeiro a continuar a vida precária no seu próprio país.  Testemunhei a sua actividade cívica enquanto foi meu aluno de pós-graduação na Universidade Fernando Pessoa.

Hoje no México  é  Professor de Português no Centro de Idiomas da UNLA - Universidad Latina de América em Morelia, Michoacán, México.  O língua portuguesa é ensinada no  LAPE (locais onde se aplicam os exames de português como língua estrangeira) desta Universidade.  A avaliação e certificação da proficiência em português língua estrangeira é feita por uma unidade orgânica da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa reconhecida  pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, através do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, pelo Ministério da Educação, através da Direção-Geral da Educação,e pelo Ministério da Administração Interna, através do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

A UNLA - Universidad Latina de América é a primeira instituição do México a ser reconhecida pela Secretaría de Educación Pública a certificar a língua portuguesa.

O Luís Lourenço está neste projecto de trabalho, onde lecciona e dinamiza um clube de conversação. Recentemente foram entregues os certificados aos primeiros alunos.  

 

Na fotografia  estão presentes: Jorge Roza de Oliveira (Embaixador Portugal no México), Maria Helena Caseiro da Silva (Coordenadora do LAPE, UNLA) e Luís Norberto Lourenço (Professor de Português no Centro de Idiomas da UNLA).

 

António Regedor 

publicado por antonio.regedor às 19:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 15 de Janeiro de 2017

Os índices de citações

bid-header_1enf.jpg

 

Eugene Garfield publica um pequeno artigo no nº 37 da revista bid-textos universitaris de biblioteconomia i documentació,  editada pela Universitat  de Barcelona e Universitat Oberta de Catalunya. http://bid.ub.edu/ . Els índexs de citacions: del Science Citation Index al Web of Science . http://bid.ub.edu/es/37/garfield.htm

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:15
link do post | comentar | favorito (1)
|
Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2017

A Guerra nos Balcãs: jihadismo, geopolítica e desinformação

image.jpg

A Guerra nos Balcãs: jihadismo, geopolítica e desinformação.  Lisboa: Colibri, 2106. É um livro da autoria de Carlos Branco, um General português ao serviço da ONU.

“A verdade é a primeira vítima de uma guerra”, frase atribuída a Hiram Warren Johnson, senador americano.  O autor considera aplicar-se adequadamente ao conflito joguslavo.

O autor considera que a jihd global teve origem na Bósnia. Promovida pela Al-Qaeda. Bin Laden  esteve várias vezes  na Bósnia com  passaporte Bósnio. P.155. Teve conversações com o presidente Izetbegoviç e com a direcção do partido muçulmano em Sarajevo.   Auman al-Zawahiri, braço-direito de Bin Laden esteve várias vezes na Bósnia para supervisionar os campos de treino geridos pelos mujahideen.

Alija Izetbegovic  lider do partido muçulmano tinha desde 1970 um livro de orientação para a Islamização dos muçulmanos e dos povos muçulmanos onde” o objectivo principal era a tomada do poder  político para estebelecerem uma sociedade segundo a “vontade de deus”. Estabelecer uma sociedade islâmica significava instituir um Estadio Islâmico.” P156

Os “Jovens Muçulmanos” foram criados em 1941 por Izetbegovic. Já então tinham o objectivo de criar o estado islâmico. Continuavam agora com o mesmo objectivo.

“A clique islamista tinha tomado de assalto o SDA (nota:  partido muçulmano na bósnia ) e marginalizado os muçulmanos que defendiam projectos seculares”. P.159

“o El Mujahid, um desses grupos jihadistas que se destacou pela brutalidade das suas acções. Os membros desta unidade  cometeram os crimes  mais hediondos que se possa imaginar tanto contra sérvios como contra croatas, nomeadamente contra prisioneiros de guerra, que eram frequentemente decapitados.”...” foi comandante daquela unidade, um tal Abu Abdel Aziz “Barbados”, um alto quadro da Al-Qaeda nascido na Arábia Saudita e veterano de guerra do Afeganistão.” P160

“Para além dos serviços de informações dos países islamicos, constava que  os da Albânia, austria, Croácia e Eslovénia teriam também participado no recrutamento de combatentes estrangeiros e na sua colocação em território bósnio.” P.164

O treino era na eslovénia e o responsável  pela mesquita de Zagreb cooperava com os recrutadores e com o seu envio para a bósnia  p164

O financiamento vinha dos países do Golfo, principalmente da Arábia Saudita e implava ter os combatentes estrangeiros p165 As aldeias onde se instalaram passaram a ser santuários da   Al-Qaeda e a ser reguladas pela Sharia  p166.

Este e outros temas do livro, são obviamente incómodos por estabelecerem o contraponto à narrativa oficial e vulgarizada. Talvez por isso não veja este livro do General Carllos Branco nos espacarates, montras e outros locais de visibilidade nas livrarias. Pode pensar-se em boicote.

publicado por antonio.regedor às 09:54
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2016

PISA Leitura acima da média da OCDE

IMG_4547.jpg

Hoje, os alunos portugueses estão acima da média da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico).

Quem o prova é o ralatório PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos).

Há 15 anos, em 2000, Portugal era o antepenúltimo.

Os resultados já vinham a melhorar visivelmente  a partir de 2006, quando  a OCDE  passou a valorizar a literacia científica.  

Enquanto a média da OCDE tem diminuído,  portugal tem crscido.

Em Matemática os resultados estão na média, mas na Leitura os resultados estão acima da média.

Lembremo-nos que há 30 anos foi lançada a Rede  Nacional de de Bibliotecas  Públicas.  Que a Rede de Bibliotecas Escolares conta com 20 anos de existência. E que há város aos há um Plano Nacional de Leitura. 

Para quem  boicotou, se desinteressou, ou achava que estes equipamentos estavam a mais, aqui está a resposta.  É de luva branca, mas PISA mais.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:06
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.tags

. todas as tags

.favorito

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds